DONS E MINISTÉRIOS

 Marcos Alexandre Damazio

Este estudo da Palavra de Deus é um desafio. Convida-nos a rever a prática de nossos dons e ministérios.
Toda boa dádiva e todo dom perfeito vêm do alto, descendo do Pai das luzes, em quem não há mudança nem sombra de variação. (Tg 1:17).
Operações, Ministérios e Dons têm detalhes particulares que os distinguem. Cada qual atua em tempo próprio, de modo diferente, com fim específico, respeitando-se mutuamente. Veremos neste estudo como descobrir ministérios e como receber dons.

OPERAÇÕES
E há diversidade de operações, mas é o mesmo Deus quem opera tudo em todos. ” ( 1ª Co 12:6).
Operações são obras específicas de Deus Pai. São intervenções de Deus sobre a natureza para sustentar sua criação. Edificam o mundo inteiro, os justos e os injustos (Mt 6:25-34).
para que vos torneis filhos do vosso Pai que está nos céus; porque ele faz nascer o seu sol sobre maus e bons, e faz chover sobre justos e injustos. ” (Mt 5:45) .

MINISTÉRIOS
E há diversidade de ministérios, mas o Senhor é o mesmo.”( 1ª Co 12:5).
São serviços específicos do Senhor Jesus Cristo para a Igreja. São chamadas vocacionais para promover a edificação e o aperfeiçoamento do Corpo de Cristo, a Igreja. São também conhecidos como dons ministeriais.
Mas a cada um de nós foi dada a graça conforme a medida do dom de Cristo. Por isso foi dito: Subindo ao alto, levou cativo o cativeiro, e deu dons aos homens.” (Ef 4:7,8) .

DONS ESPIRITUAIS
Ora, há diversidade de dons, mas o Espírito é o mesmo.” (1ª Co 12:4) .
São ferramentas especiais específicas do Espírito Santo para uso do crente. Visam realizar o seu ministério de forma mais eficaz e abrangente. Os dons têm como finalidade a edificação pessoal de cada cristão.
A cada um, porém, é dada a manifestação do Espírito, visando a um fim proveitoso.” (1ª Co 12:7) .
OBRAS
GESTOR
ATUAÇÃO
Operações
Deus Pai
Universo
Ministérios
Jesus Cristo
Igreja
Dons
Espírito Santo
Cristão
CHAMADA MINISTERIAL
O ministério é duplamente vocacional, pois consiste em uma escolha por parte de Cristo, geralmente fundamentada em um talento ou tendência natural de nossa parte. Jeremias foi escolhido para ser profeta desde o ventre de sua mãe, portanto, antes de nascer (Jr 1:5), mas seus talentos naturais já eram conhecidos por Deus. Quando Cristo designa alguém para um ministério é porque considera tal pessoa fiel (1ª Tm 1:12). E na verdade, nós fomos chamados para servir à Igreja e o mundo em um ou mais ministérios desde antes da fundação do mundo (2ª Tm 1:9).
Muitas pessoas se escondem atrás de outras em ministérios coletivos, como um departamento de Mocidade, por exemplo, e não tomam parte nestes ministérios efetivamente. Deus, porém, tem várias pessoas vocacionadas para preencher um mesmo ministério.
Por isso, guarda o que tens, para que ninguém tome a tua coroa.” ( Ap 3:10).

Tome outro o seu ministério.” (At 1:17,20,24,25).
Devemos evitar qualquer falha para que o nosso ministério não seja censurado (2ª Co 6:3), por isso devemos atentar para o ministério que recebemos do Senhor para que possamos cumpri-lo perante o Senhor e a Igreja (Cl 4:17).

A vocação ministerial é irrevogável. Ou seja, uma vez que a pessoa recebe a chamada para exercer um ministério, nunca mais o perderá. Portanto, uma vez pastor, sempre pastor. Pois Deus não retira o seu chamado ministerial ainda que a pessoa depois abandone o corpo de Cristo (Rm 11:29). Lembre-se, Deus não se arrepende (Nm 23:19).

QUAL O MEU MINISTÉRIO?
Todos nós temos um ou mais ministérios. Pode acontecer de Cristo chamar alguém para um ministério, e usá-lo poderosamente em algo em que não tenha um talento natural. Mas, geralmente Cristo aproveita a potencialidade e um talento natural da pessoa. Muitas pessoas que vêm do mundo, adaptam para um ministério cristão seus talentos naturais, até então usados para o mundo, principalmente os cantores. Porém, três coisas se destacam na escolha de um ministério: a chamada vocacional irrevogável de Cristo, o convite de um líder, e uma vocação natural. Um ministério requer que o cristão esteja apto e habilitado. Ninguém pode ser o motorista da igreja sem estar apto e habilitado para dirigir automóvel. A vocação natural é um talento (muitas vezes oculto) e não um desejo. Não basta querer cantar na equipe de Louvor, é preciso ter talento para cantar e ministrar o louvor, e, obrigatoriamente, tem de ser chamado pelo Senhor Jesus Cristo.
Somente ande cada um como o Senhor lhe repartiu, cada um como Deus o chamou. E é isso o que ordeno em todas as igrejas.” (1ª Co 7:17).
A chamada ministerial tem como finalidade o aperfeiçoamento dos santos para edificação da Igreja; a unidade da fé e o conhecimento pleno de Cristo; a varonilidade perfeita à medida da estatura da plenitude de Cristo.
E ele deu uns como apóstolos outros como profetas, e outros como evangelistas, e outros como pastores e mestres.” (Ef 4:11-16).
Embora uma pessoa possa ter vários ministérios, ela não pode fazer tudo, pois há uma necessidade de dividir as tarefas, como houve na instituição dos diáconos (At 6:1-4).

MINISTÉRIOS
  1. Ministério de Evangelismo – Consiste na pregação do Evangelho visando a salvação da humanidade.  Conhecido como ministério das Missões. “E disse-lhes: Ide por todo o mundo, e pregai o evangelho a toda criatura.” (Mc 16:15 – 2ª Tm 4:5 – At 21:8).
  1. Ministério da Reconciliação – Igual ao Evangelismo (2ª Co 5:18), porém, com ênfase nas ovelhas fracas na fé ou desviadas da igreja, para cobrir seus pecados. (Tg 5:19,20 – Mt 10:6).
  1. Ministério de Profecia – Consiste em apresentar e pregar a Palavra de Deus no culto para exortar, edificar e consolar a igreja. Não confundir com o dom espiritual de profecia (Rm 12:6).
  1. Ministério de Apostolado – Consistia em lançar o fundamento doutrinário do evangelho, e visava a abertura de igrejas (Ef 4:11). Este ministério cumpriu a sua missão, e encontra-se extinto. 
  1. Ministério de Ensino – Consiste em ensinar as verdades do Evangelho. Também conhecido como ministério do Discipulado (Rm 12:7) e ministério da Palavra (At 6:4).
  1. Ministério de Episcopado – Consiste em apascentar o rebanho de ovelhas do Senhor. Também conhecido como Pastorado, Bispado e Presbitério (1ª Tm 3:1-7). Exercido apenas por homens.
  1. Ministério de Diaconato – Consiste em servir às mesas, visando o lado social dos domésticos da fé (At 6:1-7 – 1ª Tm 3:8-13).
  1. Ministério de Ministração – Consiste em servir a Igreja, visando levar a igreja a participar do culto a Deus, ceia, batismo, ofertas, louvor e demais serviços sagrados (Rm 12:7).
  1. Ministério de Exortação – Consiste em estimular, encorajar, persuadir. Também chamado de Ministério de Aconselhamento (Rm 12:8).
  1. Ministério de Contribuição – Consiste em cooperar, colaborar, repartir, fornecer e dar com liberalidade (Rm 12:8).
  1. Ministério de Presidência – Consiste em liderar, administrar, advogar e arrecadar (Rm 12:8). Também chamado de Governo (1ª Co 12:28).
  1. Ministério de Misericórdia – Consiste em perdoar e compadecer das necessidades alheias (Rm 12:8). Também chamado de Ministério de Socorro e equivale ao Ministério de intercessão.
O CORPO DE CRISTO
Pois assim como em um só corpo temos muitos membros, e nem todos os membros têm a mesma função, assim nós, embora muitos, somos um só corpo em Cristo, e membros uns dos outros.”(Rm 12:4,5)
O Corpo de Cristo é formado por muitos membros, sendo Cristo a cabeça, e o conjunto desta multiplicidade e variedade forma a unidade do Corpo. A Igreja é um organismo vivo. Cada crente é vinculado ao seu irmão. Cada membro tem a sua função específica no Corpo. Todos são importantes, uns para com os outros e, para o Corpo. Nenhum membro vive fora do Corpo e, nem o Corpo funciona sem os membros. Há muitos ministérios em uma igreja, como libertação, hospitalidade, visitas, cantina, manutenção, organização de eventos, introdução, equipe de som, etc. (1ª Co 12:12-31). Ministério é a divisão de tarefas entre os órgãos do Corpo de Cristo.

mas em nada tenho a minha vida como preciosa para mim, contando que complete a minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus, para dar testemunho do evangelho da graça de Deus.” (At 20:24).

DONS ESPIRITUAIS
Os dons espirituais são presentes de Deus concedidos à Igreja do Senhor Jesus Cristo pelo Espírito Santo.
Ora, a respeito dos dons espirituais, não quero, irmãos, que sejais ignorantes.” (1ª Co 12:1)
Devemos ter o cuidado de não mistificar os dons espirituais, e nem nos exaltarmos por sua causa (Mt 7:21-23). Em uma igreja é importante a presença de todos os dons (1ª Co 1:7), para que cada um tenha de Deus os dons necessários ao seu ministério (1ª Co 7:7). Porém, devemos reavivar o dom de Deus que há em nós (2ª Tm 1:6), e jamais devemos negligenciar o dom que nos foi concedido (1ª Tm 4:14). Para adquirir um dom espiritual é necessário ter um coração reto (At 8:20,21), e procurar com zelo os melhores dons visando a melhor utilização do ministério perante a igreja (1ªCo 12:31), ou ainda pedir para alguém repartir um dom espiritual através da imposição de mãos (Rm 1:11). Mas é o Espírito Santo quem distribui os dons como lhe apraz (1ª Co 12:11). 
Assim como a chamada ministerial de Deus, os dons são irrevogáveis, ou seja, Deus nunca nos toma e nós jamais perdemos (Rm 11:29). 
O dom de Interpretação de Línguas, quando usado junto com o dom de Variedades de Línguas, é equivalente ao dom de Profecia. A interpretação não é uma tradução (palavra por palavra), mas uma interpretação espiritual, independente do sentido das palavras em línguas estranhas, expressando amplamente os propósitos de Deus.
Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o címbalo que retine. E ainda que tivesse o dom de profecia, e conhecesse todos os mistérios e toda a ciência, e ainda que tivesse toda fé, de maneira tal que transportasse os montes, e não tivesse amor, nada seria.” (1ª Co 13:1,2).

DONS ESPIRITUAIS – 1ª Co 12:7-11

Dons Espirituais do Intelecto
  1. Palavra da Sabedoria – Consiste no aumento da capacidade de raciocinar, planejar e julgar. É útil em todos os ministérios, e é concedido àquele que pede (Tg 1:5).
  1. Palavra do Conhecimento – Consiste no conhecimento de Deus e de sua Palavra, como também de coisas não aprendidas. É ter a mente de Cristo e conhecer os mistérios do Reino de Deus (1ª Co 2:12,16). É útil em todos os ministérios e é concedido através da unção (1ª Jo 2:20,27).
  1. Discernimento de Espíritos – Consiste em saber a procedência dos espíritos, perscrutar o interior espiritual das pessoas, distinguir o verdadeiro do falso, e examinar todas as coisas. É útil em todos os ministérios, e é concedido àquele que procura (1ª Co 2:15 – 1ª Jo 4:1).
Dons Espirituais de Poder
  1. – Consiste em crer no incrível e possibilitar o impossível (Mt 17:20). Com este dom pode-se realizar obras que só seria possível com outros dons espirituais (Tg 5:13-16 – Mc 16:17,18 – Rm 12:3,6) É útil em todos os ministérios, e é concedido àquele que procura.
  1. Dons de Curar – Consiste na autoridade sobre doenças físicas, psicológicas e demoníacas que desafiam a medicina, (At 3:1-10). É útil em todos os ministérios, e é concedido àquele que procura.
  1. Operações de Milagres – Consiste na autoridade sobre a natureza e suas leis, para realização de algo sobrenatural (At 5:15,16–At 19:11,12). É útil em todos os ministérios, e é concedido àquele que procura.
Dons Espirituais da Palavra
  1. Profecia – Consiste no recebimento e transmissão de uma mensagem de Deus à igreja. Engloba a visão e a revelação (1ª Co 14:1-6). É útil em todos os ministérios, e é concedido àquele que procura.
  1. Variedade de Línguas – Consiste em falar línguas sobre-humanas nunca estudadas e desconhecidas. Requer interpretação (1ª Co 14:5). É útil em todos os ministérios, e é concedido àquele que procura.
  1. Interpretação de Línguas – Consiste em interpretar línguas estranhas. Eqüivale ao dom de Profecia. Requer línguas estranhas. É útil em todos os ministérios, e é concedido àquele que procura (1ª Co 14:13).

Nenhum comentário: